Ask me anything

Café e Rimas, prazer Gabriel Quinelato.

'Blusa Azul'

Eles não se conheciam, ou se conheciam, mas o que importa é que tinham se visto apenas uma vez na vida, bem, na verdade isso não importa, nunca importou para eles… Conversavam por mensagens, pela internet, pelo celular, por pensamentos, conversavam nos sonhos dele. Se entendiam e desentendiam, ela desconfiava da impressão de ‘bom menino’ que ele tentara passar , ele se indignava por ela não cair nos encantos que todas as outras sempre caíram.

O tempo passava rápido e devagar, e mesmo distantes os dois viviam em dias coisas que se vivem em meses, o menino já se sentia estranho, sentia estranho o que estava acontecendo, por que imaginar ela a todo momento? A menina preferia não pensar, tinha medo de pensar, não queria saber quais eram seus pensamentos, ela apenas os ignorava, não queria se arriscar, tinha medo daquilo que poderia tornar “A mulher equilibrada” na “Menina doce”.

Mas na luta contra si mesmo, nós sempre perdemos, com os dois foi assim. Ele se entregou, percebeu que não podia mais procura-la em outras, era ela e só… Ela já não resistia mais, esperava suas ligações anoite, pedia sua blusa de frio azul. Sim, a blusa de frio azul…

Em uma noite fria, o menino disse que quando estivessem juntos, ele daria sua blusa azul para que a pequena menina não sentisse frio, o moletom de touca azul. O frio agonizava-os, nestes momentos ele desejava ter ela ao lado mais do que seus pulmões desejavam um ar puro. Nestes momentos, ela pela primeira vez desejava receber um carinho sincero, sincero como o amor dele por ela.

Ele sentia as mangas da blusa como se fossem a pele dela encostada à sua, o calor da touca era como a respiração quente da garota em seu pescoço, ele já não era o garoto esperto que queria noites de cerveja e música, ele agora desejava os dedos dela entrelaçados nos seus.

Sim, desejava, mas não tinha… Então ele foi para as noites de cerveja e música, não ele, mas seu corpo com alguma consciência estranha que esquecia todo o mundo de sentimentos que existia no corpo do garoto. Ele bebeu cerveja, ele ouviu as músicas, ele conheceu meninas.

Um beijo, foi o suficiente para acabar com tudo, como um castelo de cartas que desmorona com um pequeno sopro, como um sol que some com uma pequena nuvem, ela se lembrara então o porque do medo de tanta aproximação, ele se lembrara então da blusa azul. Sim, blusa azul que não mais aliviava sua saudade, mas agora a enraizava, sua cabeça ficou fora do eixo, ele não sabia amar, não sabia como agir com o amor, e errou.

A blusa azul culpa nenhuma tinha, mas era a mais odiada da história, ela a odiava por ter lhe dado esperança, ele a odiava por ter lhe dado um pseudo carinho, por ter alimentado um sonho, o menino não suportara mais a blusa azul, a odiava! E mesmo assim a usava, para sentir mais do que nunca, a pele dela encostada a sua…

1 year ago
2 notes

rapemfoco:

Quando ouvir essa música, não tente entender, só sinta! 

2 years ago
61 notes
Mais luz ! Pode chegar perto, eu quero ver mais luz ! Muito tempo foi… eu quero ter mais luz !

Mais luz ! Pode chegar perto, eu quero ver mais luz ! Muito tempo foi… eu quero ter mais luz !

2 years ago
1 note
Gosto disso, dessa minha imaginação fértil, gosto disso…

Gosto disso, dessa minha imaginação fértil, gosto disso…

2 years ago
2 notes
rap-em-acao:

Tem que ser com você, não tem outra opção. Não vou te prometer o mundo, e te dar decepção. Eu sou assim, sei que posso ser melhor contigo. Vem sem medo de gastar seu melhor comigo. 
Kamau

rap-em-acao:

Tem que ser com você, não tem outra opção. Não vou te prometer o mundo, e te dar decepção. Eu sou assim, sei que posso ser melhor contigo. Vem sem medo de gastar seu melhor comigo. 

Kamau

2 years ago
151 notes
Quanto mais vocês são iguais, muito mais eu quero ser eu;

Quanto mais vocês são iguais, muito mais eu quero ser eu;

2 years ago
4 notes
Você sabe, eu fico bobo por você;

Você sabe, eu fico bobo por você;

2 years ago
0 notes
Prever futuro também é prever saudade;

Prever futuro também é prever saudade;

2 years ago
5 notes
- Eu te amo! 
- Quanto?
- Sei lá, umas mil vezes.

- Eu te amo!

- Quanto?

- Sei lá, umas mil vezes.

2 years ago
0 notes